sábado, agosto 04, 2012

Notas à Escola Polytechnica de Lisboa

É na  Rua da Escola Politécnica (rua na qual está sediada a Procuradoria Geral da República e a Casa da Moeda) que encontramos o conjunto edificado onde estava instalada a Escola Politécnica, fundada em 1837 (seguindo o modelo da École Polytechnique de Paris.), que dará lugar à Faculdade de Ciências, na recém instituída Universidade de Lisboa, em 1911.
O núcleo museológico e arquivo da Politécnica são um tesouro ímpar. Mesmo se o grande incêndio de 1978 levou a que se perdesse documentação valiosa e impossível de repor (será o caso, porventura, do Estandarte da Tuna, que múltiplas pesquisas no local revelaram infrutíferas).

Actualmente, o grande edifício, construído em 1857 (o anterior, denominado de "Edifício do Noviciado da Cotovia", ardera num grande incêncio em 1843) alberga o Museu de Ciência e o Museu Nacional de História Natural, com os seus museus Mineralógico e Geológico, Zoológico e Antropológico – Museu Bocage, o Museu da Escola Politécnica e, claro está, os bem conhecidos Laboratório e Jardim Botânico.

A entrar nele, encontramos uma placa, que me apressei em fotografar também, que logo deu para relacionar com um cliché recentemente descoberto na Torre do Tombo.

    Cota da foto de grupo: PT-TT-EPJS-SF-001-001-0042-0022L, a qual se reporta aos mestres e alunos, antigos e actuais, da Escola Politécnica, após o descerramento da lápide de homenagem aos mestres, estudantes e empregados mortos (11 Janeiro de 1937).

A Escola Politécnica foi sede de uma das mais importantes Tunas Académicas da cidade de Lisboa, como o atesta a documentação diversa, os clichés existentes e as inúmeras referências na imprensa da época (Vd. "QVID TUNAE? A Tuna Estudantil em Portugal".)).
Foi, no seu tempo, a par com a Escola Médica, um dos centros mais activos da cultura e do saber, promovendo inúmeras iniciativas académicas.



 Documentação sobre a Tuna da Escola Politécnica

Já depois de reconvertida, quando é criada a Universidade de Lisboa (e a do Porto também), em 1911, continuou, ao longo de décadas, a ser referência citadina, albergando tradição e memória, num psatrimónio rico não apenas no seu espólio, mas no que significou a sua acção para tantas e tantas gerações.


O Salão Nobre, local onde, supostamente, a bandeira da Tuna teria ficado guardada,em homenagem agradecimento à Escola e corpo docente pelo apoio dado (Vd. "QVID TUNAE? A Tuna Estudantil em Portugal".)



Entrada para a Biblioteca, a qual contém um espólio riquíssimo.


Vale a pena a visita e aqui fical algumas fotos que tirei do local nas várias deslocações que ali fiz.














Nota: Todas as fotos têm direitos reservados.

Sem comentários: