sábado, maio 27, 2006

Universidade de Coimbra

Praxes: co-autor do estudo rectifica primeiros resultados do inquérito
24.05.2006 - 19h03 Lusa

O sociólogo Elísio Estanque, co-autor de um estudo sobre os estudantes universitários de Coimbra, corrigiu hoje os primeiros resultados do inquérito, afirmando "não ser verdade" que um terço dos alunos seja a favor da violência na praxe académica. "No inquérito é apresentado um conjunto de formulações, uma delas sobre a praxe académica e, de uma lista de oito questões, os inquiridos podiam escolher o máximo de três. A mais escolhida, por 72 por cento dos alunos, é a que diz que a praxe deve ser facultativa", afirmou. O investigador do Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra intervinha na sessão de abertura do colóquio internacional "Movimento Estudantil. Dilemas e Perspectivas", que decorre até amanhã na Faculdade de Economia. Numa primeira análise dos resultados parciais do inquérito, o sociólogo disse que "a praxe continua a ser uma dimensão importante nas festas académicas e no imaginário dos estudantes, mas nota-se também uma vontade latente de alguma remodelação dos seus contornos". "A única ilação do estudo [sobre esta matéria] é que há algum distanciamento crítico em termos das representações subjectivas dos actuais estudantes relativamente à praxe académica e aos contornos que ela encerra", vincou o investigador do Centro de Estudos Sociais (CES) da UC, ao intervir na sessão de abertura de um colóquio internacional. Segundo alguns dados preliminares avançados aos jornalistas, no mesmo capítulo do inquérito dedicado à praxe académica a formulação "Deve repudiar qualquer forma de violência física ou simbólica" foi a segunda mais escolhida pelos inquiridos (68 por cento). O terceiro item mais escolhido pelos alunos (52 por cento) aponta para a revisão da praxe de forma a receber melhor os novos alunos. O presidente da Associação Académica de Coimbra (AAC) manifestou-se hoje contra a violência na praxe académica e considerou que "a larga maioria" dos seus colegas partilha esta opinião. "Discordo da violência na praxe, não é o melhor método para integrar os estudantes. Acho que a larguíssima maioria dos estudantes [da Universidade de Coimbra] é contra a violência", afirmou Fernando Gonçalves, ao comentar os resultados parciais do inquérito, avançados hoje pelo "Jornal de Notícias". A praxe "deve ser sempre um mecanismo de integração e não de superiorização do antigo estudante face ao novo", disse o dirigente estudantil. O estudo abrangeu 2830 alunos da Universidade de Coimbra e foi realizado ao longo de 2005 e 2006, estando prevista a divulgação mais detalhada dos resultados parciais amanhã, na sessão de encerramento do colóquio. O colóquio integra-se no projecto de investigação "Culturas Juvenis - Diferença, Indiferença e Novos Desafios Democráticos", que está a ser desenvolvido no CES sob orientação de Elísio Estanque e do historiador Rui Bebiano.

Fonte: http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1258279&idCanal=

Sem comentários: