terça-feira, abril 30, 2013

Notas sobre Teorias Praxístico-Conspirativas




Um artigo que vem responder a uma pseudo-tentativa de explicar as origens da Praxe ou das praxes, onde o autor assume posições, no mínimo, questionáveis e, acima de tudo, pretendendo que é um messias iluminado que descobriu a pólvora.
Considerar aqueles escritos como “estudo” ou como suportados em rigor e metodologia científicos é destratar todos quantos fazem do estudo sério, da investigação criteriosa um forma de ser e estar, e possuem formação e percurso académico sólidos.

É lerem as teorias conspirativas e entrar nesse mundo confuso de contradições, de colagens ad hoc, de ficção e deturpação de factos ou interpretação fantasiosa, para perceberem que nem é preciso saber muito para notar a falta de credibilidade do teor do texto. Se a isso somarmos o facilitismo no uso do palavrão……..fica caracterizado o conteúdo e a forma destas teorias da conspiração, e a competência de quem as formulou.

Segue-se (para quem tiver lido o The Manuale Scholarium – Parte 1 – Praxes Académicas) o desmontar das teorias da conspiração.



Sobre definições de Praxe, é pena que se fique por dicionários online, ao invés, sei lá, de procurar fazer um estudo comparativo sobre o termo, ao longo dos anos e a sua constância nos dicionários. Daria para assim poder perceber a evolução do termo.
Deixou de fora alguns diconários de referência da lexicologia, mas isso obrigava a sair de casa e procurar em várias bibliotecas. Ora é mais fácil mandar bitaites no PC do que vir até à BNP, por exemplo, e começar a investigar desde a 1ª ocorrência do termo Praxe nos dicionários da nossa língua (pelo menos).

Fala o autor do artigo (se assim se pode chamar) em “(latim ritus, -us) Cada um dos sistemas de organização maçónica.”
Nota-se bem, aqui, que o investigador apenas escolhe a informação que lhe convém, omitindo tudo o resto, de maneira a que as conclusões possam bater certo com o que pretende. Mas isso é rigor investigativo ou deturpar as coisas para só darem o resultado que se pretende?
 É que o termo “Rito” designa práticas organizadas, as quais não nasceram na maçonaria, não lhe são exclusivas sequer.
Ritos temos desde o início da humanidade, por isso é pena que se queira obrigar o leitor a concluir o que o autor pretende, sem contudo fornecer ao leitor todos os dados, com toda a isenção e rigor.
Sobre as pirâmides e símbolos maçónicos.
Só quem nada percebe de história é que alguma vez vai achar que sempre que se usa uma pirâmide isso tem a ver com maçonaria.
Já existiam pirâmides antes, e depois, que nunca tiveram nada a ver com maçonaria.
Só falta dizer que a pirâmide do Louvre, foi desenhada e construída por um maçon!
Ou que as pirâmides que se ensinam nas escolas são  porque os maçons mandam nos currículos escolares.

O facto de haver um ou outro logótipo adoptado por organismos de praxe, semelhantes aos atribuídos a sociedades secretas, apenas ocorre por cópia do facilitismo e fascínio por coisas “misteriosas”, muitas vezes pro ignorância da própria simbologia.
Mas o autor desta teoria teima que sim, embora lhe falte provar que os elementos em causa são de lojas maçónicas.
Como o iluminado é aluno (ex-aluno?) do ISVOUGA, até na forma piramidal do logótipo da sua instituição ou associação de estudantes viu presença da maçonaria.
Viu ele e mais ninguém, note-se. Faltam provas documentais de tal, que ele não apresenta.
Conclusões destas são assim fáceis de tirar numa mente retorcida.
E quando refere que os ritos diários são para manter uma máquina diabólica a funcionar, não sei se ria ou se chore, tal o ridículo da interpretação. É preciso ser muito doente, para achar que os nossos ritos diários, os nossos horários, a nossa organização familiar existem por força de uma força malévola chamada maçonaria.

Até agora, não vi nenhuma luz nem nenhum esclarecimento.
Mas o autor destas teorias diz que há que iluminar (coitado, tem a presunção de ser ele o novo Messias), porque da discussão nasce a Luz (pena é que a sua noção de discussão seja insultar, empregar palavrão ou censurar os comentários que não lhe agradam, um pouco como aqueles miúdos que estando a perder no jogo de futebol lá do bairro, acabam com o jogo e vão-se embora, porque a bola é deles).

Depois fala em Apocalipse.
Eu até agora gostava de saber a relação disso com maçonaria e Praxe.
O rapaz passa de um assuntos para o outros, sem estabelecer ligações ou provar as mesmas. Mistura tudo num leitmotiv que só ele deve compreender.
Só falta dizer que S. João (apóstolo) era maçon ou praxista e que a ilha de Patmos, onde ele escreveu o último livro do Novo Testamento (apocalipse) era a Atlândida.

 O que não se entende, de todo, é a relação entre ritos maçónicos e Praxes Académicas. O autor diz que são a mesma coisa, que são sinónimas, coisa que nunca nenhum documento referenciou, nenhum dicionário ou enciclopédia alguma vez sequer sugeriu.
Nem sei como não estabeleceu ele uma relação entre o noviciado da igreja e o percurso hierárquico dentro da mesma, também com a maçonaria e as Praxes.
É estranha essa tentativa de relacionar ambos, quando durante tanto tempo o ensino universitário (Estudo gerais) era reservado ao clero, que mais tarde teria nos maçons um inimigo (a Maçonaria – esqueceu-se o rapaz de explicar -  nasce institucionalmente só a partir do séc. XVII, inspirada nas associações de artesãos, nomeadamente na época da construção das grandes Catedrais – época do Gótico – altura em que já existiam ritos de iniciação nas universidades, pelo que a existir, seriam as praxes a influenciarem a maçonaria, coisa sem sentido, obviamente).

Outra teoria tão parva quanto a investigação do autor em causa, é sobre o termo Caloiro.
A sua ignorância é tal que consegue dizer que o termo é resultado de uma justaposição lexical (Cal+loiro) com aférese do “L”, porventura (isso ele não diz, porque não percebe patavina de linguística, claro está).
Só que ele acha que colocar definições de dicionários do séc. XIX valida que ele os interprete. Ora ele não tem competência ou saber para tal, nem os dicionários permitem tal.

Em nenhum dicionário que ele cita e ilustra, ou noutro qualquer, se fundamenta que o termo Caloiro provém da junção de 2 termos. Porque não vem.
Depois é fácil, quando se quer perverter as coisas, conseguir, ainda por cima, dizer que Loiro (coloração do cabelo) tem ocorrência em Louro (planta) ou vice-versa, esquecendo que o facto de haver dupla grafia em certos termos (toiro-touro, ouro-oiro), não significa que Louro e Loiro sejam sinónimos, que não são.
Com a Cal, depois, é fácil naturalmente, inventar-lhe atributos que venham a chegar perto de qualquer misticismo maçónico ou conspirativo (nem sei como não estabeleceu que Alfred Nobel, como químico, vinha de uma família de alquimistas, e por isso inventou a dinamite, usada pelos mestres veteranos para explodirem caloiros, e fazer a ligação aos Talibãs).

Essa interpretação asurda do termo seria como dizer que computador fosse resultante de “com+puta+dor,” que significaria, sei lá, alguém com uma doença venérea. lol
Pena que o autor seja tão limitado intelectualmente que nunca se tenha dado ao trabalho de ler algumas teses de doutoramento e algumas publicações de historiadores, sociólogos e etnólogos reconhecidos sobre as tradições estudantis.
Que do seu estudo nem sequer conste nada sobre o “Palito Métrico”, o “In Illo Tempore”, “Praxe Académica - Fontes de Informação Sociológica, Tese de Doutoramento de Rita Alberto – UC, 2003”, “Tradições Universitárias e Patrimonialização  – Oficina CES, de Paulo Peixoto, 2006”, “Costumes Académicos de Antanho 1898-1950”, “Rituais e Cerimónias – editado pela Fac. Letras da UC em 1993”, “Costumes estudantis de Coimbra (Mª Eduarda Cruzeiro)  - Análise Social 1979", “A sociedade tradicional académica coimbrã - introdução ao estudo etno-antropológico de LOPES, António Rodrigues, Coimbra, Gráfica de Coimbra, 1982”…..entre tantos outros títulos.

Pena que o autor destas teorias descabidas, nem sequer saiba (tal a ignorância) que o termo Caloiro aparece apenas no séc. XIX, como sinónimo de provinciano ou rústico, como aliás o termo “pastrano”, e que os alunos que estavam pela 1ª vez na universidade eram apelidados de novatos.
 Pena que não tenha investigado a questão dos “Bachileres de pupilos”, origem das relações hierárquicas entre novatos (pardillos) e veteranos (veterano era qualquer aluno que não fosse novato), que nos vem de Espanha, Salamanca nomeadamente, sendo que os ritos iniciáticos (novatadas) são depois trazidos para Portugal (ou influenciam fortemente as práticas).
São-lhe coisas desconhecidas, certamente. É que nem tudo vem na net e muito do saber ainda exige conhecimento livresco e competências metodológicas que o teórico da conspiração não possui, claramente.


Depois, certamente que o autor deve ter algum trauma social, por achar que a praxe é, como ele refere, “corporativismo hierárquico maçónico dos vícios báquicos universitários, isto é, sexo-drogas-e-rock’n-roll!” porque vivemos numa sociedade hierarquizada, corporativa. De facto, associamo-nos de muitas formas, umas mais formais que outras, sejam entre condóminos, associações culturais, partidos, clubes, grupos profissionais, grupso artísticos, turmas, escolas, empresas……todos com regras, com práticas, usos e costumes próprios.
Dizer que as praxes são uma iniciação ao álcool, sexo e música…… é de quem não diz coisa com coisa!
Tem razão o rapazola ao condenar o Rally das Tascas. Mas isso é uma invenção de finais dos anos 80, e não uma tradição. Aliás, nem sequer tem nada a ver com ritos com caloiros.
O rally das tascas ocorria (e ainda ocorrerá, numa o noutra instituição, infelizmente) durante a Queima, pelo que entre isso e praxes…..não vejo relação, porque quem participava não eram exclusivamente caloiros (a maioria eram mesmo estudantes de todos os anos, finalistas à cabeça muitas vezes).
O que tem isso a ver com maçonaria e praxes? Também há rally das tascas repertoriado nos ritos maçons?

 Depois, segue-se uma imagem de um anjo com crianças. Não se percebe. É para falar do cabelo loiro? Mas então há pouco era o loiro planta, agora é loiro cor de cabelo….decida-se, homem!
Depois fala em “Halo”, em vez de auréola, e de constelações do Touro, misturando misticismo com astrologia……. Tudo a ver com maçons e praxes.
Vem depois  nova teoria: de que afinal o polimento dos caloiros aos veteranos vem da Roma e Grécia antigas. Mas então não era dos Maçons?

Já havia praxes ainda antes de existirem universidades? Essa é fantástica!!!!!
Que documento atesta essa relação entre rituais báquicos e pagãos, festas dionisíacas e as praxes?
QUE DOCUMENTOS??????
Depois só referiu festas romanas, mas gregas, essas,……nenhumas!!!!!!

Vai na volta e os festivais de verão (Optimus Alive, Sudoeste, Paredes de Coura, Rock in Rio, Super Rock-Super Rock, entre outros) são todos sucedâneos das festas romanas.  Por que só as praxes? Ou descobriu algum documento que estabelece inequivocamente que essas festas báquicas estão na origem da Queima das Fitas? Hehehehehe

Se o ditado diz que não se deve conduzir depois de beber, eu aconselho-o a fazer o mesmo: “Se beber, não escreva!”.
Obviamente que, depois, tenta o “estudioso” explicar as insígnias, mas escuda-se com argumentação sem nexo.
Continua, agora sim, com um ataque cerrado ao Notas&Melodias, com uma argumentação tão parva como a idiotice do autor.
Claro que os textos do N&M estão protegidos pela legislação, porque o saber e a investigação exigem esforço, tempo, e dinheiro também.

Não, desengane-se o rapazola que não se ganha dinheiro com isso, mas apenas se protege o trabalho sério..
Baseado em muitas e diversas fontes? Naturalmente.
Ao contrário do autor das teorias conspirativas, a investigação do N&M não passa por ir à net fazer copy-paste e depois inventar elos estapafúrdios e fazer afirmações que não são corroboradas por nenhum historiador, especialista ou quejandos, mas ir pesquisar às fontes, ler e não omitir informação.
O N&M não inventa factos ou teorias, mas limita-se a explicar e dizer onde encontrou essa explicação, seja em documentos antigos, seja em estudos mais recentes, mas procurando sempre documentar-se ou solicitar  a ajuda de especialistas, citando-os ou pedindo-lhes colaboração directa.
O rapazola, esse, a única coisa que sabe fazer é linkar para artigos que, em lado nenhum confirmam as ligações e interpretações apresentadas, para além de quase sempre serem sites sem autor, como é o caso da Wikipédia (fonte cuja credibilidade.......lol).
O restante que faz o teórico da conspiração é um exercício de inveja. Nunca o menino escreveu um livro nem investigou,  mas para isso tem bom remédio: que o faça. E ao menos leia, antes de mandar bitaites, pois até agora mostrou apenas que manda postas sobre coisas que nunca viu, leu ou estudou (e sem fazer referências bibliográficas devidas).
 Andou na mesma faculdade do Relvas ou do Sócrates?
Mas, pelos vistos, pedir-lhe que fundamente, investigue e seja rigoroso cientificamente seria exigir competência a mais a quem manifestamente a não tem.


Quer depois o rapazola dar numa de querer explicar as insígnias de Praxe, pretendendo fazê-lo melhor que um historiador doutorado, como é o professor António M. Nunes (Sobre a verdadeira origem das insígnias, ler AQUI)
É triste. Só mesmo de alguém que vive noutra dimensão e não tem noção do ridículo.
Não se percebe, depois, nenhuma relação entre a última ceia e uma nativa americana, esquecendo-se o rapaz que as tesouras não existiam no tempo de Cristo.
Aliás, o que tem a ver o cabelo com tudo isto? E desde quando ele pode afirmar que todos esses povos  deixavam o cabelo comprido em razão de motivos religiosos?  Que referências e documentos pode apresentar em defesa de tal afirmação?
Também deu em antropólogo? Essa é boa!
Estranhamente, o rapazola não fala do exército romano, o primeiro a impor o cabelo curto (por razões de higiène, e depois, para não serem agarrados pelo inimigo). Afinal os romanos, que estão na origem das praxes e dos males do mundo, foram os primeiros a ter água canalizada, sistema de esgotos e medidas sanitárias, lol. Depois essa coisa dos cabelos compridos não se entende para justificar as tonsuras na praxe. Também é um rito maçon? lol
Não tarda e os barbeiros e cabeleireiras são todos de uma sociedade maçónico-romanao-greco-qualquer coisa.

Depois, informar o “estudioso” que a Caveira não é uma insígnia de praxe.
Usada em certos grupos como figuração dos seus brasões e heráldicas, nunca contudo a caveira esteve alguma vez associada à Praxe. Nenhum documento o refere, NENHUM!!!!
É mais uma introdução recente? É, mas figurativa.


Segue-se depois um chorrilho de “notícias” sobre abusos nas praxes. Não vejo a co-relação com a teoria dos maçons e dos Romanos/Gregos!
Que são abusos e que são condenáveis? São!
Que os infractores deviam ser (sempre) punidos? Claro que sim.

Mas são isso praxes? Não. São abusos e actos do foro criminal, coisas que não dignificam nem se aceitam.
Quem os praticou é maçon?
 

Depois dizer que as insígnias de praxe têm origem nos EUA, é obra!!
Primeiro porque a caveira nunca foi insígnia de praxe, de facto, e apenas começa a aprecer tardiamente (anos 80) e certamente que não por inspiração americana (o filme sobre o assunto é ainda amais tardio na sua emissão em Portugal)
Depois porque as insígnias como a tesoura, a moca, a colher….nunca foram insígnias da sociedade “Skull and Bones” . Ma so que me faz rir e contorcer de riso é a afirmação que essa sociedade “secreta” americana está por detrás, e passo a citar, “Agenda Comuno-Maoísta-Globalista de um Único Governo Mundial, dos illuminati, do satanismo e das repúblicas maçónico-satânicas como a de Portugal” ou seja por detrás de eventos ou grupos ocorridos ainda antes de existir tal sociedade. É obra, que os homens do “Skull and Bones” conseguissem agir retroactivamente no tempo. Deviam ter uma máquina do tempo trazida pelos aliens que visitaram os Maias e os Egípcios, lol.
Deve também estar na origem da Queima das Fitas (elas próprias inspiradas nos Autos de Fé onde se queimavam caloiros e outros bruxos, lol)., não?

Depois vem a do barrete frígio cuja cor vermelha é atribuída à China e ligada ao comunismo. lol
Pena que o rapazola nem sequer saiba que a cor não tem nada a ver e que o vermelho só aparece na bandeira chinesa com a revolução maoísta, enquanto o barrete frígio, ligado iconograficamente à revolução francesa (1789), e depois ao busto da república francesa (Marianne) está em uso no séc. XVII e XVIII. Aliás, se o "alumiado" souber ler francês (e perceber), veja o significado das cores da bandeira francesa, implementada na época da revolução, em vez de aqui vir com “chakras” (você é brasileiro?).
Ora afirmar que a praxe é maçonico-carbonária, seria dizer que data de, pelo menos, finais do séc. XIX e inícios do XX. E mesmo assim é influenciada pela revolução chinesa ocorrida décadas depois? Ah, já sei, os praxistas são seres com poderes sobrenaturais que dominam o espectro espacio-temporal, é isso?

Vai na volta e os comunistas satánicos viajaram no tempo par adizer aos romanos para criarem rituais para os praxistas se inspirarem.

Depois diz o rapazola que os valores da revolução francesa, e depois o republicanismo, servem para, e passo a citar, “fazerem o que quiserem quando lhes apetece com quem lhes apetecer, sem prestar contas a ninguém e muito menos obedecer a valores e princípios morais e de senso-comum, violando constantemente os Direitos Humanos!” . É de alguém totalmente ignorante, ignorando mesmo que é da revolução francesa e ideário republicano do qual emana a “Declaração Universal dos Diretos Humanos!” Nem um monárquico anti-republicano iria tão longe!
É triste a ignorância do rapazola!

Depois dizer que Júlio César usava uma coroa de louro para esconder a calvície ou por vaidade é nem sequer perceber coisa de coisa nenhuma da organização da sociedade romana (e como se Júlio César tivesse sido o primeiro a fazê-lo ou a usar).
Ele há coisas que deviam constar do Guiness do absurdo.

Entramos depois na área da deturpação total:


  • Afirma que os intelectuais consideravam o povo como bestas com doenças. Isso é um claro exagero e uma invenção. E dizer que os chamavam de caloiros é igualmente erróneo. Mas gostava que me fosse apresentado um documento onde isso se revela e onde o povo é apelidado genericamente de caloiro.
  • Depois dizer que o ir às unhas e cortar cabelo tem a ver tem a ver com o nojo que tinha do povo que achavam imundo é, no mínimo, parvo de todo. Principalmente quando a alta sociedade tanta importância dava aos longos cabelos, de que as perucas do séc. XVI a XVIII são disso prova). Também nenhum documento o comprova!
  • Depois vem o cromo dizer que a cor preta dos trajes tem a ver com obscurantismo e falta de pureza, quando nem sabe que essas cores eram usadas pelo clero, a par com o castanho e o pardo, não por imposição mas porque, nas universidades, havia indicações de não usar cores garridas (vermelhos, laranjas, verdes...)
  • Depois essa teoria de que os povos consideravam o cabelo uma ligação telepática, só mesmo de quem tem problema telepáticos.
  • Mas há pior: dizer que no norte de Portugal há uma mais forte ocorrência e cabelos louros. Isso tem por base que estudo antropológico? Influência de povos germânicos? Quais? Essa é boa!
  •  As praxes são uma prática tipicamente portuguesa? Essa é boa! Então não são maçónico-carbonário-satanico-romano-greco-skullianas-qualquer coisa?
  • França é um país maçónico? EUA também? Essa é boa! Diz quem? Um país para ser maçónico teria de ter a maioria da população maçon. Você sequer lê os disparates que escreve (já que não os pensa)?
  •  Noutros países não há praxes? Como sabe disso? Foi lá inquirir?
  •  Inteligência vem de onde mesmo? Eu que pensava que tinha a ver com “inteligir” (intelligere e inteligens), entender, compreender. (termo composto de íntus: dentro e lègere: recolher, escolher, ler - como sinónimo de “entendere” ou o acto de entender pro dentro a natureza das coisas……………… mas isso não é para todos e nem todos estudaram linguística, latim, lexicologia ou evolução das palavras. Pena é que alguns se armem em áreas que não dominam de todo.
  • Depois fala em”The Manuale Scholarium – Século 19, ano 1868”dizendo que é época medieval. Muito bom. Nem sabe distinguir os séculso e as épocas (mas isso já tínhamos notado).
  • Depois as praxes são reflexo da sociedade portuguesa (depois da maçonaria, dos romanos e gregos, dos americanos…….) vindo, depois, com conceitos fabulosos como, e passo a citar: não fazem a mínima o que é Geometria Sagrada e Proporção Áurea aplicada nas construções, chegam mesmo a destruir Património Histórico Nacional, porque só lhes interessa uma coisa”. Mas quem destruiu património histórico? Os praxistas?
    Tanta coisa com os maçons e depois vem adular a proporção áurea ou geometria sagrada? Mas estamos a falar de quê afinal?

    Querem ver que agora estamos no mundo da metafísica e do espiritismo?
  • E vem depois dizer que, não sei bem quem, impede o livre arbítrio? Essa é boa. Impede como? Quem?
  • Segue-se depois a acusação de que as associações académicas baptizam os caloiros e que são uma máfia e que perseguem as pessoas. O rapazola nem sabe a diferença entre uma associação académica (estudantes) e praxe (ou organismos de praxe). E tem a distinta lata de dizer que até impedem o relacionamento entre pessoas.

    Mas este tipo saiu de que buraco, afinal?


E acaba o “iluminado” a dizer que a praxe vem da época medieval, depois de ter dito que vinha da maçonaria, depois dos romanos e regos, depois das sociedades secretas americanas, depois que era reflexo do povo português…………mas que grande volta ao mundo par anão dizer coisa nenhuma de jeito, não provar nada do que diz e estabelecer teorias sem qualquer nexo ou fundamento.
A praxe é pagã (apesar de nascer em instituições religiosas e os ritos de iniciação serem inicialmente e praticados entre membros do clero), para depois ser da burguesia para com o povo e depois ser de quem está no topo da pirâmide (da sociedade) para cok os coitados da plebe!
Mas que confusão vai naquele vazio cerebral.

E como grande messias que é, o nosso “iluminado” assume-se como dono da verdade, aquela que nos permitirá entrar, como ele diz, e passo a citar: “ numa Nova Era Espiritual, com um novo alinhamento galáctico, em que deixamos de ser influenciados pelas energias negativas de Orion!”

De gente assim está o Júlio de Matos cheio.

Lamento é que tenha anunciado no início do artigo que iria falar das latadas, da queima, das fitas e das tunas, mas sobre isso nem uma linha.
E sobre Tunas, então é que estou mesmo expectante, a ver o que consegue desta vez inventar.
Mas cá esperamos que venha o sabichão querer “ensinar a missa ao padre”.




Termino com esta tirada sublime do autor do dito texto (que no Facebook se apresenta como Gillian):

"Foram todas esssas entidades, [os Illuminati, os Maçons, os satânicos, os extraterrestres] que são uma só, que inventaram isso [a praxe] assim como todo o tipo de manipulação e controlo mental humano que por esse mundo imunda!"
in https://www.facebook.com/events/521059081291252/521088994621594/?comment_id=521382551258905&notif_t=like

Depois disto............. I rest my case.


10 comentários:

Anónimo disse...

O gajo é burro. Não tem formação nenhuma e é um ressabiado. Toda a gente o conhece no isvouga.
O tipo é um pobre coitado que vive alienado.
Acho que nem acabar o curso conseguiu.

Anónimo disse...

Depois de ter lido o texto que citado tinha pensado em fazer uma refutação, tal era o anacronismo, as interpretações falaciosas e a belo prazer e gosto sem ter em conta a história e a confusão sugerida. O "Notas e Melodias" acabou por o fazer primeiro e bem melhor do que eu iria fazer!
Agora é só esperar que aquela teoria da conspiração sirva para muita gente se rir, porque fora disso não serve para mais nada!

Rapper

Anónimo disse...

Parabéns ao Notas&Melodias pela resposta cabal que deu áquela besta.
O gajo que no facebook aparece como "Gillian Emmanuel Miguel Seed" é um verdadeiro sociopata. O tipo mistura tudo, acha que há entidades que controlam a mente, fala em espíritos, em shakras, fala de maçonaria e de republicanos da carbonária, de templários, de religião...........um gajo que só pode ser louco porque não diz coisa com coisa.
E quando não diz que a praxe e os praxistas são merda, ameaça que lhes bate.
É que o gajo não é só burro: tem mesmo de ter problemas mentais para dizer o que diz.
Mas alguém o leva a sério?
Não é só por ser louco mas que estudos é que o gajo tem para se armar como faz? O que gajo tem é credibelidade zéro e ninguém o leva a sério e ao que parece nem sequer acabou o curso.

Daniel Machado

AA disse...

Começo por dizer que sou anti-praxe e que acho as praxes uma merda.
Conheço o trabalho deste site e sei que quem está por detrás dele é uma pessoa que não embarca em histórias e que faz um trabalho sério e isento.
Se todos lessem este blog haveria menos merdosos na praxe.

Só para dizer que não me revejo nada nem eu nem ninguém do meu círculo de amigos nesse texto do "The Manuale Scholarium".
A praxe pode ser uma estupidez e ser feita por pessoas estúpidas mas esse senhor ultrapassa os limites todos.
Se á alguma pessoa que merecia ser praxada essa pessoa é o autor dessa tal teoria junto com os praxistas deste país naturalmente.

AA

Pedro Silva disse...

eu nem quis acreditar no que li. esse texto desse tal Gillian só pode vir de alguém que está muito doente dos cornos.
não é o facto dele não apresentar provas de nada é mesmo aquelas divagações loucas. o gajo deve viver num mundo LSD psicadélico porque ninguém no seu perfeito juízo escreveria aquilo.
e quem é esse tipo para achar que sabe alguma coisa?
concordo com o que já foi dito: esse gajo devia ser internado de urgencia.

El Mariachi disse...

Ei ainda estou meio zonzo e com os olhos a doerem da leitura dessa bosta do "Manual Scholarum" desse tal Gillian (isso é nome de chocolate chinês).
Aquela argumentação toda é um verdadeiro novelo de imundice intelectual que à medida que vamos desfiando revela uma verdadeira psicopatia. Eu há coisas que tive de passar adiante por uma questão de sanidade mental.
Esse tal Gillian mostrou com aquele texto como é ter o cérebro ligado diretamente aos intestino.
Disseram aqui que ele não teria tirado o curso? Pudera! Percebe-se bem porqué!

El Mariachi

Del Piero disse...

Caro escritor do Notas&Melodias, tenho acompanhado os seus textos á algum tempo e apesar de ter estado envolvido em quase todas as frentes da vida académica, houve algumas duvidas que esclareci graças a si. Em termos de código de praxe sempre procurei entender o porquê de muita coisa, e tentei transmitir a todos os meus colegas o significado real de cada coisa, assim como você o faz, e muito bem, neste blog.

Em relação a essa personagem já tive uma pequena discussão online com o mesmo, e rapidamente percebi que é alguém cuja sanidade mental já teve melhores dias, que acusa tudo e todos apenas com um objectivo: que lhe dêm atenção. Vive num mundo á parte e julga-se conhecedor de toda a razão, espero que depois desta resposta de alguém com cultura e sabedoria sobre o tema deixe de inventar histórias e procure acompanhamento psiquiátrico.

Quanto a si continue com este excelente projecto do N&M que me parece que poderá tornar-se numa referência nacional e de leitura obrigatória para aqueles que têm dúvidas sobre a praxe.

Saudações Académicas,
Del Piero

Anónimo disse...

Esse Gillian é um perturbado mental.
Temos muitos no manicómio que também se julgam Napoleão, Deus ou salvadores da pátria.
Este tótó coitadinho acha que é o portador da verdade e da luz.
É o que dá fumar incenso e ver a TVI. Depois começam a ter alucinações.

Anónimo disse...

O tipo é um frustrado da vida. Ninguém lhe dá trela porque é um verdadeiro lunático e um tipo sem formação nenhuma.

O WB é que lhe respondeu com nível e o reduziu à sua insignificância.

Daniel Pardejo disse...

"o porquê do preto ser a cor predominante das tunas, ou melhor, o conjunto de todas as cores pigmento (sucção de Luz, Vampirização)"

Tá visto que nós tunantes somos vampiros.... vá pelo menos usamos preto em lugar de brilharmos à luz....

este senhor já não tem tratamento! Parabéns ao N&M pelo seu trabalho!!