quinta-feira, julho 28, 2016

Notas ao Centenário da Sebenta, 1899


CENTENÁRIO DA SEBENTA

COIMBRA, 1899


Muito se tem falado do centenário da Sebenta e de supostamente ser a inspiração da Queima das Fitas, coisa que é falso.

 Para explicarmos sucintamente o que foi, com toda a reverência citamos ipsis verbis o que sobre isso disse, melhor que ninguém, António M. Nunes no seu blogue Virtual Memories, juntando-lhe diversas imagens e artigos resultantes da nossa investigação:

Centenário da Sebenta, Bilhete Postal Ilustrado, 1899

 
"O que foi: festa burlesca concebida e realizada por um grupo de estudantes das faculdades de Direito e Teologia da Universidade de Coimbra no mês de abril de 1899. O programa foi pensado como uma crítica parodial aos centenários cívicos que vinham a ser realizados em Lisboa e no Porto desde 1880. O tema das festividades foi a sebenta, folha litografada com os textos das lições teóricas dadas pelos lentes da Faculdade de Direito, intrumento de ensino então considerado aberração pedagógica, sinónimo de obscurantismo e dogmatismo.

 
 
Centenário da Sebenta - Revista Brasil Portugal, Anno I, n.º 8 de 16 de Maio de 1899, pp. 12-13
 
 
 
Data de realização: 28, 29 e 30 de abril de 1899

 
Comissão central: Alexandre de Albuquerque, Veridiano Gonçalves, Alberto Costa, João Eloy, D. Vicente da Câmara (Filho), Luís José da Mota (tesoureiro)
Presidente da Comissão central: Alexandre de Albuquerque
Papel desempenhado pelo Conselho de Veteranos: escreveu e publicou a Carta de Alforria dos caloiros [apenas e só no âmbito dos três dias de festas. A emancipação dos caloiros só ocorreu a 24.5.1899 por alturas da Festa das Latas e Queima das Fitas]
Souvenirs e material kitsh: cartaz promocional, pelo estudante Álvaro Viana de Lemos; selos miniatura; medalhinhas; bilhetes postais, pratos cerâmicos para o banquete; relíquias (mocho de Minerva); registos "devocionais" para os chapéus dos romeiros

 
 Diário Illustrado, 28.º Anno, N.º 9354, de 29 de Março de 1899, p.2

Programa oficial:

 
Programa do Sarau Comemorativo do Centenário da Sebenta, 29 de Abril de 1899
(Acervo de J.Pierre Silva, publicado sob autorização expressa para o N&M)

 
 
 
6.ª feira, 28 de abril de 1899

 manhã: abertura oficial com a proclamação da Carta Régia de D. Dinis (paródia ao bando e pregão usual nas festas portuguesas e espanholas)
17.00h: receção oficial aos grupos de romeiros chegados ao largo da Portagem acompanhados de grupos de gaiteiros (grupos de estudantes mascarados e travestidos)
20.00h: alvorada musical.

 
Sábado, 29 de abril de 1899

 
10.30h: cerimónia de mudança dos nomes das ruas da Alta
11.00h: visita às tascas da Alta, casas de prego (=penhores) e sebentarias (tipografias que imprimiam sebentas)
12.00h: Banquete aos delegados das "câmaras municipais" no largo da Feira
13.00h: inauguração do busto de Alois Senefelder, inventor da litografia (busto de sebo, colocado sobre um plinto de madeira no largo Marquês de Pombal)
16.00h: condecoração de Maria Marrafa, distribuidora de sebentas pelas portas, e do sebenteiro Manuel das Barbas
17.00h: "Revista naval" (parada fluvial no Mondego com 30 embarcações)
20.30h: Sarau de gala no teatro circo (Avenida)

 
Domingo, 30 de abril de 1899

 
10.00h: Sessão solene no teatro circo presidida pelo conde de Burnay (banqueiro muito caricaturado por Bordalo Pinheiro. Número anulado)
14.00h: Cortejo de viaturas alegóricas decoradas pelos principais caricaturistas da época, Manuel Bordalo Pinheiro, Celso Hermínio, Jorge Cid, Jorge Colaço. Integrou carros do Liceu de Coimbra e da Escola de Agricultura
16:00h: inaguração do monumento à Sebenta
20.00h: baile no restaurante José Guilherme, serenata pelo Orfeon, arraial com danças e iluminações

 
 
Centenário da Sebenta, 1899
(Acervo de J.Pierre Silva, publicado sob autorização expressa para o N&M)
 
 
O Centenário da Sebenta substituiu a Queima das Fitas? Não. O Centenário foi uma festa organizada antes do fim do ano escolar, em abril, e contou com a participação de estudantes de várias faculdades.

As festas de encerramento do ano escolar tinham lugar em finais de maio/inícios de junho, eram organizadas pelos quartanistas, tiveram lugar nesse mesmo ano e continuaram nos anos seguintes.

Que festejos académicos de fim do ano ocorreram em 1899?

Realizaram-se as tradicionais latadas, cortejo-charivari muito antigo, que ficou conhecido por Festa do Ponto, Festa das Latas, Arruaça das Latas. Foram impressos pelos menos dois cartazes em verso em finais de maio de 1899: "O programma das latadas", sem data, claramente da 3.ª semana de maio; o "Programma das latadas, extraordinário, pyramidal, estupendo, massante e solidificante programma das latadas decretado no dia 24 de maio de 1899 por ordem da mui nobre, ínclita e tradicional Dona Praxe", que custava 20 réis.

 
Colecção de postais editados para o Centenário da Sebenta, 1899

E realizaram-se, com enorme probabilidade, os números da Queima da Fitas dos quartanistas grelados de Direito e de Teologia, já então considerados tradicionais, o cortejo, a garraiada, a queima das fitas, o enterro das cinzas, a mijaria à Porta Férrea e a emancipação dos caloiros. Escrevo probabilidade porque seria necessário aprofundar o assunto nos jornais da época.

O Centenário da Sebenta é a origem da Queima das Fitas? Não. A Queima das Fitas, enquanto festa dos quartanistas de Direito e de Teologia, já existia em 1899.

 
VIEIRA, Afonso Lopes – AUTO DA SEBENTA. Typ. França Amado, Coimbra, 1899.
 
 
 Ainda assim, alguns dos números do programa do Centenário da Sebenta vieram a ser incorporados na Queima das Fitas? Sim, mas apenas em parte, e não com a importância que se lhe tem querido atribuir. A estrutura da Queima das Fitas contemporânea, por contraposição às festas académicas arcaicas, é a mesma que se praticava nos programas oficiais da casa real por ocasião dos recebimentos de visitantes, esponsais, casamentos, aclamações e batizados."[1]


Publicamos mais alguns documentos que evocam, posteriormente, o Centenário da Sebenta:


Relembrando o Centenário da Sebenta, 1902


30º aniversário do  Centenário da Sebenta - Bilhete Postal, 1929


Revista Rua Larga, Edição comemorativa dos 60 anos do Centenário da Sebenta, de 30 de Abril de 1959
Medalha da Queima das Fitas de 1999, evocando os 100 anos passados sobre o Centenário da Sebenta.




[1] NUNES, António Manuel - [em linha] Blogue Virtual Memories em artigo de 20 de Agosto de 2012.

Sem comentários: